Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias Irreais

São pedaços de vida, são desabafos de uns e outros, são partilha

São pedaços de vida, são desabafos de uns e outros, são partilha

Intacto

Todos os dias faça chuva ou sol está na porta da Igreja, sentado no chão ou abrigado debaixo dos portais.

Dizem que em tempos foi um homem bonito, agora não se percebe, sujo, confuso e agressivo, poucos se aproximam.

O que o destaca de outros é o seu cão, a única vez que a voz dele sai quase meiga é quando fala com o Urso.

Perco-me a imaginar os porquês da vida, da vida deste homem que chegou ao fundo, tão fundo que é difícil imaginar um regresso, mas o amor por aquele animal é algo que comove, vejo-o a dar comer ao Urso do pouco que consegue, pois a agressividade afasta quem tem boas intenções.

Ao contrário do que seria"normal" o cão está limpo e parece saudável.

 

É alguém que já nada tem, tudo perdeu, no entanto o amor por um animal continua intacto.

 

image_thumb[23].png Google imagens

 

 

Heat the street

Histórias (Ir)reais

 

Um projecto de Sílvia Lopes que o objectivo é “ajudar quem mais precisa”, complementando o trabalho de “organizações que dão este suporte” durante todo o ano aos sem-abrigo. Permite que qualquer pessoa possa participar, pendurando, pela cidade, um agasalho que já não utiliza, juntamente com uma etiqueta da iniciativa.

“Estou aqui para ti. Se estás na rua com frio, leva-me contigo para te aquecer”, lê-se nesses rótulos, que serão distribuídos com os casacos por locais como a Avenida 24 de Julho, Largo de São Paulo, Santos e Bica, a partir das 19 horas de terça-feira.

 

estou aqui.jpg

 

Infância perdida

Luís tem 43 anos e saiu de casa com 16. Eram muitos irmãos numa aldeia deste País, passou a infância a trabalhar no campo, pouca comida para tanta bocas.

 

Veio para Lisboa trabalhar nas obras e conheceu a heroína.

A partir daí foi sempre a descer, conta a infância como se de uma historia de terror se trata-se.

Em miúdo viu o melhor amigo morrer afogado, a mãe a ser espancada e sem nada poder fazer. Mantêm contacto com a mãe, o pai nem quer saber.

Hoje, depois de uma tentativa frustrada de desintoxicação, há seis anos tentou uma segunda e ficou limpo. Acredita que é de vez, conseguiu abrigo na AMI do bairro. Tem onde dormir.

 

ami.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Antiguidade

Ruben, vive no Terreiro do Passo, auto-intitula-se o mais antigo sem abrigo da zona, rosto enrugado, barba amarelada e olhar de quem vive há muito neste mundo.

Vivia nas arcadas, mas teve de "mudar-se" na altura das obras da mesma, agora vive "lá em cima" como refere.

Vai buscar comida e roupas ao campo das flores.

Entre sussurros uns vão dizendo que o Ruben é rico, tem uma herdade em Portimão e que o irmão quer partilhar, quer que ele saia das ruas, quer que receba a sua parte.

Depois, diz quem lida com sem abrigos diariamente, "não podemos acreditar em tudo o que eles nos contam".

 

Sem se saber a verdade, pouco importa, Ruben é o sem abrigo mais antigo do Terreiro do Passo.

 

 

 

terreiro.jpg

 

Vencedor

Paulo é um caso feliz, no meio do caos, da vida dura, acabou bem esta história e merece ser contada apesar de já ter uns anos.

 

O vício do álcool perturbou-lhe a memória. Não consegue situar o tempo. Não se lembra de datas. Também não se recorda de nomes. Faz um esforço.

 

Com 7 anos fugiu de casa, sem ninguém que o procurasse encontrou Ana, que foi "mãe" uma sem abrigo também e cega, aconchegou-o e comiam os dois, sandes ou bolos que os patrões das pastelarias davam a Paulo a criança. Ana morreu, Paulo voltou a ficar só.

 

Ao fim de uns anos a mãe procurou-o, não o podia levar para casa, pois o padrasto não deixava, prometeu à mãe que ia lutar.

Aos 14 anos nos Restauradores, juntou-se a um grupo que tinha como lema beber para esquecer, ele aderiu, e bebeu, bebeu durante 13 anos e nunca esqueceu.

De banho tomado nos balneários sempre que podia, roupas das associações, era um alvo fácil, para os companheiros que o viam como um pedinte de sucesso, fugiu.

 

O novo poiso, Santa Apolónia, lá fez amizades, andava de fato e gravata sempre, mas sempre bêbedo também.

Até que ficou muito doente, levado  pela Comunidade Vida e Paz ficou internado 2 meses, fez uma desintoxicação e ficou na Comunidade, começou a viver, tinha onde dormir e comer, livre do vicio.

 

Mas numa pneumonia teve novo revés, diagnosticaram-lhe o vírus da sida. "Na rua, também havia mulheres e eu estive com elas." Não se deu por vencido.

Conheceu Filipa numa acção de voluntariado e apaixonaram-se, casaram, vivem numa casa camarária e ele trabalha, são felizes.

 

_Paulo_Fernandes.jpg

 

 

 



 

Vitória Antunes

Arquivo

Todos os textos são da autoria de Vitória Antunes. As fotos são retiradas do Google imagens, se alguém se sentir lesado entre em contacto, serão retiradas.

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.