Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias Irreais

São pedaços de vida, são desabafos de uns e outros, são partilha

São pedaços de vida, são desabafos de uns e outros, são partilha

Desafio

Mulher que é uma querida, desde já obrigada, desafiou-me há uns dias, mas só foi possível hoje responder ao desafio, é que é longo, montes de regras e eu sou uma desregrada por natureza, portanto como imaginam não vou cumprir todas.

 

Regras:

  • Escreva 11 fatos sobre você;
  • Responda às perguntas de quem te indicou;
  • Indique de 10 a 20 blogs com menos de 200 seguidores;
  • Faça 11 perguntas para quem indicar;
  • Coloque a imagem que mostre o selo Liebster Award;
  • Link de quem te indicou.

11 factos sobre mim:

 

Gosto de comer

Adoro o mar

O único "desporto" que o meu corpo tolera são umas caminhadas

Adoro passear com as minhas duas "ranhosas"

Detesto andar em lojas, quando quero algo, procuro onde há, vou e compro.

Não demoro 3 horas a arranjar-me

Não uso maquilhagem

Depois do banho uso óleo Johnson (há muitos anos)

Tal como referi acima não gosto de regras

Tenho o melhor filho do mundo

Sou impaciente

 

As perguntas:

Qual a razão de criação do teu blog?

 

Já tive  um blog há muitos anos, no inicio da coisa, tinha tempo e fiz algumas amizades, tinha bastantes leitores e era bonito, motivava, os comentários e a interacção.

Depois acabei por o deixar privado, numa altura que não tinha disponibilidade e estive uns anos sem ter blog.

Anos passados da fase menos boa, apeteceu-me e voilá, estou de volta e a gostar muito.

 

3 Blogs Favoritos que sigas diariamente?

Era injusto escolher 3, são muitos, embora nem sempre comente, leio, emociono-me, ás vezes quase choro de tanto rir, são muito mais de 3 os meus favoritos.

 

Qual a tua profissão ou ocupação?

Profissão empregada de balcão, ocupação, nenhuma de momento.

 

 

Viagem de sonho?

Ui tantas, assim de repente, Maldivas,  Nova York, Amesterdão e fico por aqui, que a lista é enorme.

 

Uma frase que te inspira?

"Quando sou boa, sou muito boa, mas quando sou má, sou melhor ainda", Não é bem uma inspiração, digamos que é uma frase que me define muito bem.

 

Maior qualidade?

Ser directa, não uso meios para dizer o que quero, vou directa ao assunto.

 

Maior defeito?

Mandona, sou muitoooo mandona, e impaciente

 

O que te irrita?

Bem, existe várias coisas que me irritam, mas digamos que pessoas atrasadas (falo em termos de pontualidade, calma) dão-me cabo dos nervos.

 

O que te faz feliz?

Simplicidades basicamente, mar, sol, petiscos, amigos, família, e não necessariamente por esta ordem

 

Filme ou livro da vida?

Adoro cinema, mais que livros, sim eu sei, sou uma desnaturada (quase que é crime dizer isto, pois toda a gente adora ler), um filme que me marcou muito e adoro "O conde Monte Cristo".

 

Uma palavra que te defina?

Lutadora

E não nomeio ninguém, quem quiser, sirva-se, que isto já vai longo.

 

19422589_zVfjK.png

Mulher

 

 

 

 

 

Conta-me histórias #8

just.jpg

Hoje tenho o prazer de ter a Just_Smile, com um texto muito bom, para refletir e pensar realmente como as nossas crianças cada vez mais estão automatizadas.

Já devem conhecer o blog dela, fala de tudo um pouco, livros, cinema, fotografia, comes e bebes, opiniões, esta mulher não pára, vale a pena ir espreitando. Obrigada Just, pela simpatia e pelo excelente texto de reflexão.

 

"Quando era pequenina gostava da terra, do campo, das flores e do rio. Brincava com bonecas, carrinhos e às casinhas, inventando ingredientes com aquilo que me vinha à mão do campo. Uma folha era o bife, o milho o arroz e aquelas ervas daninhas que ninguém queria ver eram a salada. Desenhava a giz no chão uma ‘macaca’ e mesmo sozinha atirava a pedra e saltava de uma casa para a outra coxeando e tentando manter o equilíbrio.

O meu avô ensinava-me a distinguir os pássaros e ao seu lado estragava aquilo que ele plantava com a minha inocência de criança. Aprendi a nadar no rio, a dez minutos a pé de minha casa, escapando pelos campos de milho para me meter com os meus irmãos e primos numa água gelada onde surgiam cobras que me faziam fugir da água.

Cresci com um grupo de adolescentes, entre primos e irmãos, que apesar de se fartarem de ter uma criança atrás de si me ensinaram muita coisa. Fui uma criança feliz, nem o contrário me passa pela cabeça.

Hoje não vejo crianças no campo. Não vejo crianças no monte. Apenas as vejo do percurso da escola para casa, nada mais. Parecem estar presas numa torre onde não há sol nem natureza. Parecem-me não saber brincar, não terem o conceito de brincar.

A infância transformou-se nos últimos anos. As crianças crescem no meio das novas tecnologias e esquecem-se de ser verdadeiramente crianças. Talvez não sejam elas, afinal elas são reflexo dos nossos actos, dos nossos ensinamentos e valores. Então que valores lhes andamos a transmitir?

Ser criança não é ter mil e um brinquedos e não os saber usar. Ser criança não é passar dias entre computadores, tablets, televisão e outros afins. Ser criança não é só fazer os trabalhos de casa e ir para a música, para a natação, para o inglês, ou todas as outras actividades a que os pais recorrem para transformarem os seus filhos em seres perfeitos, ou para os prepararem para um melhor futuro.

 

Ser criança é ter imaginação. É criar mundos e histórias nas suas mentes quando brincam. É ouvir uma história e ser capaz de pintar a mesma numa folha em branco. É correr, é saltar, sem existir uma competição constante contra alguém. Ser criança é sorrir, é fazer asneiras, é sujar a roupa e esmorrar os joelhos. Ser criança é apanhar sol, meter aquelas mãos sujas de erva na boca e ainda assim continuar a brincar. Ser criança é aprender com aquilo que nos rodeia. É também ver desenhos animados, cantar músicas e ainda jogar no computador, mas principalmente dar asas à imaginação.

Vamos ensinar as crianças a serem crianças?"

 

 

 

Blogs, passatempos, marcas e afins

Hoje o texto não é história, é a minha opinião sobre alguns passatempos em alguns blogs.

Os passatempos proliferam nos blogs, alguns são de marcas bastante conhecidas em blogs de topo, claro, cada vez mais este é um meio de publicidade.

Nada contra, acho muito bem que exista bloguers profissionais, Portugal até está bastante atrasado nesta questão.

O que me mete confusão, como aconteceu no inicio desta semana, é os passatempos que nos pedem, NIF, Telm, e outros dados pessoais.

Vi em 7 ou 8 blogs, os maiores a nível nacional, todos na segunda feira tinham o mesmo passatempo, foi uma enchente, o passatempo é este  (e não, não me pagaram) este passatempo pede tudo isto, não tem site, tem só a página do passatempo, nem marca, nem vende nada, só por aí é estranho, dão 3.900 euros???? porquê?  que proveito tiram? ninguém dá nada a ninguém. E já tem 17963 participações.

 

Depois para além de ser maior de idade é necessário que o NIF e Código Postal estejam associados a "contrato de arrendamento de habitação, mutuários num contrato de empréstimo contraído apara a aquisição de habitação própria permanente ou proprietários de imóvel de habitação permanente".

 

Ninguém acha isto estranho? As bloguers ditas profissionais não se informam do que publicitam? é que para mim não basta dizer no passatempo "Concurso Publicitário nº 10/2016 autorizado pela Secretaria - Geral do Ministério da Administração Interna “Prémios em cartão não convertível em dinheiro”

 

Eu sei que só participa quem quer, mas as dificuldades são muitas e as pessoas ás vezes são levadas por estas coisas, convêm serem bem informadas.

Eu vi isto em blogs que gosto, o caso da Pipoca, (a única que o publicitou dois dias depois) da Capazes  (onde escrevo uns textos também) e da Ana Galvão  ( Uma profissional de rádio que muito gosto e juntamente com o marido  Nuno Markl são um casal em permanente luta pelos animais).

Entristece-me não existir um maior cuidado com os leitores, neste caso em especifico. Os dados pessoais valem dinheiro, todos sabemos, mas não gosto que bloguers que tenho consideração e gosto de ler, pactuem com isso.

Vai na volta daqui a uns dias isto é de uma marca top e o mistério é desfeito e este texto é só parvo.

Mais, muito mais

É uma rapariga simples, simpática, adora o mar e passear com as amigas, rir e tirar fotografias.

Dia após dia, escreve histórias irreais, algumas até reais, tudo para que quem a lê no blogue fique mais animado uns dias, outros com a lágrima ao canto do olho, emoções é o que pretende transmitir.

 

Mas há algo que lhe parte o coração, o carinho não é retribuído como deve ser, então não é que poucos leitores têm um gosto na página do blogue, ela quer mais, muito mais. Espreitem  aqui metam um gosto e façam de mim uma mulher feliz

(Ler com humor sff, mas "laikem" na mesma)

 

 

 

feliz.jpgGoogle imagens

 

Sobre blogues

 

Há muito, muito tempo, mais precisamente em 2006 criei o meu primeiro blogue.

A vida da blogoesfera era diferente, não existia milhares de blogues e parecendo que não faz muita diferença, são milhares de opiniões, pessoas com vivências diferentes.

Os blogues começaram a nascer como cogumelos, esses fungos saborosos mas que também podem ser venenosos.

E alguns são, muito.

Os blogues e redes sociais em geral são usados como armas de arremesso, atacam tudo quanto mexe.

Onde um deslize pode ser abertura do noticiário das 20h, onde uma diferença de opinião nos pode levar aos píncaros da (má) fama.

De repente todos são juízes, todos julgam e condenam, fazem exactamente o que condenam com o argumento da liberdade de expressão, tão em moda.

Ás vezes questiono como será o futuro, vejo tanta maldade, tanto egoísmo, inveja, tanta gente a querer o mal dos outros que me assusta.

O que devia ser um meio de convívio, tornou-se quase uma selva, onde todos querem ser Leão.

Como gosto mais de gatos, fica a ideia #deixemosgatinhosviver.

 

 

blog-blog-blog.jpg Imagem Google

 

 

 

 

Vitória Antunes

Arquivo

Todos os textos são da autoria de Vitória Antunes. As fotos são retiradas do Google imagens, se alguém se sentir lesado entre em contacto, serão retiradas.

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.